terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Anjos Teixeira (1880-1935)

Depois da venda (1914, MNAC)
-
República (1916, Museu da Assembleia da República)
-
Madrugada (1920, Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves)
-
Velha com um cesto (Museu Anjos Teixeira)
-
Cabra de leque (Museu José Malhoa)
-
Artur Gaspar dos Anjos Teixeira foi um escultor português, nascido em 18 de Julho de 1880 e falecido em 4 de Março de 1935. Estudou escultura na Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde foi aluno de Simões de Almeida Sobrinho e de Costa Mota Sobrinho. Continuou os seus estudos em Paris, entre 1907 e 1914, com o apoio de uma bolsa de estudo, tendo exposto no Salon. Com a Grande Guerra, regressou a Portugal e adquiriu um atelier em Lisboa. A sua obra destaca-se pelo realismo naturalista, sobressaindo em obras que figuram costumes da gente do povo, bem como no retrato e trabalhos de carácter alegórico e celebrativo, como o caso da República da Assembleia (1916).
-
Cf. Sintra Museu Virtual de Arte e Wikipédia.
-
Artur Gaspar dos Anjos Teixeira was a Portuguese sculptor, born in 18 July 1880 and died on 4 March 1935. He studied sculpture at the School of fine arts of Lisbon, where he was a pupil of Simões de Almeida Sobrinho and Costa Mota Sobrinho. He continued his studies in Paris, between 1907 and 1914, with the support of a scholarship, having exposed at the Salon. With the Great War, he returned to Portugal, acquiring a workshop in Lisbon. His work is distinguished in a naturalistic and realistic style, standing out in works that include representation of commoners, in portrait, as well as allegorical and celebrating works as the Republic (1916).

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Enrique Casanova (1850-1913)

Sala do Despacho no Paço de Sintra (1889-1895, Palácio Nacional da Ajuda)
-
Pombos no camarote (1890, Palácio Nacional da Ajuda)
-
-
Paisagem (c. 1880-1905, MNAC)
-
Tipo Valenciano (1912, MNAC)
-
Enrique Casanova nasceu em San Gil de Zaragoza (Espanha), em Janeiro de 1850. Foi autodidacta, exercendo tarefas na oficina de litografia de seu pai. Cerca de 1880, veio viver para Portugal, onde trabalhou na Litografia Portugal. Nesse mesmo ano, por ocasião das comemorações do tricentenário da morte de Camões, publicou ilustrações do evento na revista «O Occidente», o que chamou a atenção do público. Sendo recomendado ao rei D. Luís, foi chamado para o círculo restrito da corte, a fim de instruir o Príncipe Real D. Carlos e o Infante D. Afonso na arte da aguarela. Casanova iniciou as suas funções de professor de pintura dos Príncipes em meados de Maio de 1881, trabalho que se prolongaria até Setembro de 1884. Foi nomeado Pintor da Real Câmara, desde 1885, o que se aliou a um estatuto de certo relevo na corte, sendo um dos acompanhantes da rainha D. Amélia e dos Príncipes, na viagem cultural que esta empreendeu pelo Mediterrâneo, em 1903. O trabalho de ensimo alargou-se a outros membros da Família Real, assim com a outras pessoas interessadas, contando-se entre elas Roque Gameiro. Chegando a abrir um curso nocturno de desenho e aguarela numa dependência da Real Casa Pia, em Belém, de 1888 a 1891, foi professor da Escola de Desenho Industrial Gil Vicente, em Belém, sendo depois colocado na Afonso Domingues, em Xabregas, e destacado para a Escola Príncipe Real, ao Rato. Expôs trabalhos na Sociedade Promotora de Belas Artes (1887) e na Sociedade Nacional de Belas Artes (1902 e 1906). É da sua autoria a litografia que ornamentou a capa do catálogo da 2ª Exposição de Quadros Modernos (Grupo do Leão, 1882). Após a proclamação da República, Casanova retirou-se para Madrid (1911), indo hospedar-se na Casa dos Artistas, fundada por Luís Sainz.
-
Cf. João Vaz, in Palácio Nacional da Ajuda
-
Enrique Casanova was born in San Gil de Zaragoza (Spain) in January 1850. He was self-taught, exercising tasks in the lithography workshop from his father. About 1880, moved to Portugal, where he worked in Lithography Portugal. That same year, on the occasion of the celebrations of the tercentenary of the death of Camões, he published illustrations of the event in the magazine «O Occidente», which drew the attention of the public. Being recommended to the King Luís, was called to the inner circle of the Court, in order to instruct the Royal Prince Carlos and the Prince Afonso in the art of watercolor. Casanova began his duties as a professor of painting of the Princes in 1881 and was appointed painter to the Royal Chamber, since 1885. His teaching enlarged to other members of the Royal family, as well as to other interested persons, including Roque Gameiro. He exhibited works at the Sociedade Promotora de Bellas Artes (1887) and at the National Society of Fine Arts (1902 and 1906). After the proclamation of the Republic, Casanova retired to Madrid (1911), staying in the Artists House, founded by Luis Sainz.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

António Ferreira (c. 1700-1750)


Sagrada Família do Presépio da Madre Deus (1700-1730, Museu Nacional do Azulejo - atribuído e em colaboração provável com Dionísio Ferreira)

Fonte e camponeses do Presépio da Madre Deus (1700-1730, Museu Nacional do Azulejo - atribuído e em colaboração provável com Dionísio Ferreira)
-
Anunciação aos Pastores (Museu Nacional de Arte Antiga)
-
São José e a Virgem (Museu de Aveiro)
-
Angels playing the organ and singing (Bode-Museum, Berlin - atribuído)
-
António Ferreira foi um escultor português, filho de Dionísio Ferreira, também escultor. Nasceu provavelmente em Braga, mas grande parte da sua obra foi realizada em Lisboa, tendo sido activo entre 1701 e 1750. Especializou-se na produção de figuras para presépios. Entre os seus trabalhos, destaca-se o conjunto das figuras do presépio da Madre de Deus, hoje incluído na coleção do Museu Nacional do Azulejo, existindo também exemplos no Museu Nacional de Arte Antiga, no Museu de Aveiro, no Museu Nacional Machado de Castro, na Casa dos Patudos (Alpiarça), no Museu Arqueológico de Espanha (Madrid), no Museu Bode (Berlim) e no Museu Nacional Colégio de São Gregório (Valhadolide).
-
Wikipédia.
-
António Ferreira was a Portuguese sculptor, son of Dionísio Ferreira, also a sculptor. He was born in Braga, but most of his work was made in Lisbon, being active between 1701 and 1750. He specialized in the production of Nativity scene figures. Among his works, we should mention the sculptors for the Madre de Deus Nativity scene (at the Museum of Azulejo), but also the works at the Museu Nacional de Arte Antiga, the Aveiro Museum, the Museu Nacional Machado de Castro, the Casa dos Patudos (Alpiarça), the spanish Archeology Museum (Madrid), the Bode Museum (Berlin) and the Museu Nacional Colégio de São Gregório (Valladolid).

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Armando Correia (1936-2008)

Miriapode (1981, Museu Nacional do Azulejo)
-
Estatueta. «Miriápodes» (1985 - Exposição Animais na Cerâmica Caldense. Colecção de João Maria Ferreira, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha, até 4 de Dezembro © Fotografia de Margarida Araújo)
-
Jarro. Ave (c. 1980-1985 - Exposição Animais na Cerâmica Caldense. Colecção de João Maria Ferreira, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha, até 4 de Dezembro © Fotografia de Margarida Araújo)
-
Estatueta. Cavalo (c. 1980-1985 - Exposição Animais na Cerâmica Caldense. Colecção de João Maria Ferreira, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha, até 4 de Dezembro © Fotografia de Margarida Araújo)
 -
Peça decorativa. Devaneios Líricos nos Jardins de Granada (1997, Museu da Cerâmica, Caldas da Rainha)
-
Armando Correia foi um ceramista português, natural das Caldas da Rainha. Era filho de Avelino Correia, afilhado de Avelino Belo, que fora um grande ceramista caldense, discípulo de Bordalo Pinheiro. No ano de 1955, Armando Correia completou o Curso Técnico de Cerâmica, nas Caldas da Rainha, tendo trabalhado inicialmente na indústria do plástico, na Marinha Grande - onde, cerca de 30 anos depois, leccionou um curso intensivo de cerâmica, promovido pela Galeria de Arte Roca. Entre 1960 e 1969, foi professor da Escola de Olaria e Cerâmica de Viana do Alentejo. Em 1970, fundou, com Leão Lopes, em Condeixa, o Grupo "Z-Atelier de Cerâmica". No ano de 1975, trabalhou no Departamento de Criatividade de uma fábrica de cerâmica em Espanha, regressando a Portugal (e às Caldas) em 1980. Em 2002, foi homenageado com a Medalha de Mérito, Grau Ouro, pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha. Além de ceramista também foi pintor, tendo exposto a sua obra por diversas vezes, quer a título individual, quer integrado em colectivas. Os seus trabalhos estão representados em Museus e colecções privadas.
-
-
Armando Correia was a Portuguese ceramist, born in Caldas da Rainha. He was the son of Avelino Correia, Godson of Avelino Belo, who had been a great ceramist of Caldas, disciple of Bordalo Pinheiro. In the year 1955, Armando Correia has completed the technical course, in Caldas da Rainha, having worked initially in the plastics industry, in Marinha Grande - where, some 30 years later, he taught an intensive course, promoted by art gallery Roca. Between 1960 and 1969, he was a teacher at the school of Pottery and Ceramic of Viana do Alentejo. In 1970, he founded, with Leão Lopes, in Condeixa, the group "Z-Atelier of Ceramics". In the year 1975, he worked in the Department of Creativity of a ceramics factory in Spain, returning to Portugal (and Caldas) in 1980. In 2002, he was honored with the Medal of merit, Gold Degree, by the municipality of Caldas da Rainha. In addition to ceramics he was also a painter, having exhibited his work several times, either individually, or incorporated in collective exhibitions. His works are represented in museums and private collections.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

António Quadros (1933-1994)

A menina e o lagarto (1956, Centro de Arte Moderna - FCG)
-
Raparigas (1950-1958, Museu Nacional Soares dos Reis)
-
Sem título (gravura) (1958)
Cinzeiro serviço "Verde Negro" (1959, Museu Nacional do Azulejo)
-
António Quadros foi um pintor, escritor e professor português, que nasceu a 9 de Julho de 1933, em Santiago de Besteiros, Tondela. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa, de onde se transferiu, em 1952, para a Escola de Belas Artes do Porto. Licenciou-se nesta Escola em 1961, tendo sido convidado para aí lecionar. Expôs na ESBAP, onde distribuiu "O Manifesto de Pintura" (1958); e estudou Gravura e Pintura a Fresco na Escola de Belas-Artes de Paris, para o que teve o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian (1958-1959). A sua obra pictórica foi influenciada por Marc Chagall (1887-1985) e Pablo Picasso (1881-1973), assim como pelos pintores mexicanos e surrealistas latino-americanos. Nessa obra encontram-se referências ao imaginário rural e à olaria de Barcelos - foi ele quem descobriu a barrista minhota, Rosa Ramalho (1888-1977). Expôs individualmente no Porto, em Lisboa e em Lourenço Marques e associou-se a mostras coletivas de arte, em Portugal e no estrangeiro, tendo participado, por exemplo, na I Bienal de Paris (1959). Trabalhou em cerâmica, tendo ingressado na SECLA (Caldas da Rainha) em 1959, por intermédio de José Aurélio (n. 1938). Dedicou-se à pintura sobre cerâmica, e foi autor de um serviço conhecido como linha Verde e Negro (c. 1959). Destaca-se ainda um serviço de mesa com decoração caligráfica que concebeu como presente de casamento para José Aurélio. Nos anos 60, fixou-se em Moçambique, país onde veio a lecionar (na Escola Técnica de Lourenço Marques e na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo), a fazer teatro, a desenhar arquitetura, e, ainda, a fundar, com Rui Knopfli (1932-1997), os cadernos de poesia "Caliban" (1971-1972). No início da década de oitenta do século XX, regressou a Portugal e retomou a docência na ESBAP e na Unidade Pedagógica de Viseu. Antes de falecer, voltou a África para lecionar arquitetura na Universidade Eduardo Mondlane, em Moçambique, para participar num programa de artesanato, em Cabo Verde e num projeto de Apicultura, na Guiné-Bissau. Interessou-se por etnografia e arte africanas, dando a conhecer o pintor moçambicano Malangatana (n. 1936). António Quadros morreu em Santiago de Besteiros a 2 de Junho de 1994.
-
Bibl.: Universidade Digital / Gestão de Informação, 2010 - U. Porto.
-
António Quadros was a Portuguese painter, writer and teacher, who was born in 1933 (Tondela). He studied painting at the school of fine arts of Porto (1961), where he was a professor. He studied engraving and Painting at the school of fine arts of Paris, with support from Fundação Calouste Gulbenkian (1958-1959). He also worked in ceramics, having joined in SECLA (Caldas da Rainha), in 1959. In the years 1960, he settled in Mozambique, returning to Portugal in the early 80.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Ferreira da Silva (1928-2016)

Azulejo - Fábrica Secla (1958, Museu Nacional do Azulejo)
-
Jarra (1989-1990, Museu da Cerâmica)
-
Pintura da série «OFÉLIA I» (1991-1992, Colecção Municipal Ferreira da Silva, Caldas da Rainha - © Margarida Araújo)
-
«OFÉLIA II» (2009, Colecção Municipal Ferreira da Silva| Caldas da Rainha © Margarida Araújo
-
Presépio (2014, Museu Nacional do Azulejo)
-
Luís Ferreira da Silva nasceu no Porto, em 1928, mudando-se ainda em criança para Coimbra. Nessa cidade ingressou na Escola Técnica Avelar Brotero, onde foi aluno de António Vitorino, responsável pelo curso de pintura cerâmica. Trabalhou na “Cerâmica Bombarralense”, na “Vestal” e na “Olaria de Alcobaça”. Colaborou com a SECLA entre 1954 e 1967. Em 1964, expôs na Galeria 111, em Lisboa, e, em 1967-1968, frequentou a École des arts appliqués et des métiers d'art, de Paris, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi depois para o Porto, para a Galeria Espaço, tendo trabalhado com uma fábrica de grés fino em Meadela e uma outra em Ermesinde. No ano de 1970, constituiu a empresa Ceramex (Benedita). Montou depois a Rolcer (Porto), voltou a colaborar com a SECLA (anos 80), colaborou com o Cencal e a Fábrica Molde (1999). Dedicou-se igualmente ao vitral, apresentando os seus trabalhos na Galeria Osíris (2006).
-
Bibl.: João B. Serra, «Ferreira da Silva: biografia breve e nota bibliográfica», in http://www.cidadeimaginaria.org/cer/FerreiradaSilva.pdf
-
Luís Ferreira da Silva was born in Oporto, in 1928, and moved to Coimbra as a child. In this city he entered the Escola Técnica Avelar Brotero, where he was a pupil of Antonio Vitorino, responsible for painting pottery. Later, he worked on "Bombarralense", "Ceramic Vestal" and "Pottery of Alcobaça". He also collaborated with SECLA between 1954 and 1967. In the year of 1964, he exhibited his work at the Gallery 111 (Lisbon), and in 1967-1968, he attended the École des arts appliqués et des métiers d'art (Paris), with a scholarship from the Calouste Gulbenkian Foundation. When he returned to Portugal, he went back to Oporto, starting to work at the Galeria Espaço, at stoneware factory in Meadela and another one in Ermesinde. In the year of 1970, has created the company Ceramex (Benedita). After that he created the Rolcer (Porto), collaborated with SECLA, Cencal and Molda (1999). He also devoted himself to the stained glass art, showing his work at the Gallery Osiris (2006).

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Jorge Vieira (1922-1998)

sem título (1954, MNAC)
-
-
-
-
Touro (CAM-FCG)
-
Jorge Vieira nasceu a 16 de Novembro de 1922, em Lisboa. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa, entre 1944 e 1953, inicialmente inscrito em Arquitectura, mas mais tarde seguindo o curso de Escultura, tornando-se aluno de Simões de Almeida (tio) e de Leopoldo de Almeida. A sua aprendizagem complementou-se nos ateliers dos escultores António Duarte, Francisco Franco, António da Rocha e do arquitecto Frederico Jorge. No ano de 1948, realizou uma viagem a Paris e Londres, e em 1950 viajou até à Itália. A sua primeira exposição individual realizou-se em 1949, na Sociedade Nacional de Belas-Artes. Em 1953 Jorge Vieira participou num concurso internacional de escultura patrocinado pelo Institut of Contemporary Arts de Londres, com um projecto para o monumento O prisioneiro político desconhecido, que viria a ser seleccionado e exposto na Tate Gallery. Essa obra, apenas veio a ser executada algumas décadas mais tarde, erigida em 1994, na cidade de Beja. No ano de 1954 instalou-se em Londres e inscreveu-se na Slade School, onde trabalhou com Reginald Butler, F. E. McWilliam e Henry Moore. Em 1958 participou na Feira Internacional de Bruxelas, seleccionado para figurar na exposição “50 Ans d’Art Modern”. Em 1976, tornou-se Assistente na Escola de Belas-Artes do Porto, transitando em 1981 para a Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde permaneceu até 1992. No ano de 1982, adquiriu uma casa nos arredores de Estremoz, onde passou a residir. Entretanto, continuou a conceber esculturas para espaços públicos: grupo de baixos-relevos para o Bloco das Águas Livres (1956); uma Varina em bronze colocada na Avenida Infante Santo, em Lisboa (1957); uma escultura abstracta em cimento e em bronze para o Tribunal do Redondo (1965); uma peça em aço para o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (1972); uma escultura dedicada a Aquilino Ribeiro, em Soutosa (1981); o Monumento ao mineiro, em Aljustrel (1986-1988); ou as Joaninhas colocadas em frente aos paços do concelho de Lisboa (1998). O trabalho de Jorge Vieira não se insere num estilo ou “escola” específicos, estando as suas obras ligadas a influências variadas, como o surrealismo ou a arte primitiva, com aproximações à abstracção. O período final da carreira do escultor é marcado pela inauguração de uma importante retrospectiva da sua obra no Museu do Chiado (1995) e pela encomenda feita para a Expo’98, que lhe proporcionou uma maior visibilidade pública (Homem-sol, 1998). O escultor faleceu nesse ano em Estremoz.
-
Exte texto é o resumo da biografia do Matriznet.
-
Jorge Vieira was born on 16 November 1922, in Lisbon. He attended the School of fine arts of Lisbon, between 1944 and 1953, initially enrolled in architecture, but later following the course of sculpture, becoming a pupil of Simões de Almeida (uncle) and Leopoldo de Almeida. His learning was complemented in the “ateliers” of the sculptors António Duarte, Francisco Franco, Antonio da Rocha and the architect Frederick George. In the year 1948, undertook a trip to Paris and London, and in 1950 travelled to Italy. His first solo exhibition was held in 1949, at the National Society of Fine Arts. In 1953 Jorge Vieira took part in an international sculpture contest sponsored by the Institute of Contemporary Arts in London, with a project for the monument the unknown political prisoner, who would go on to be selected and exhibited in the Tate Gallery. This work, only came to be executed a few decades later, erected in 1994, in the city of Beja. In the year of 1954 he settled in London and enrolled at the Slade School, where he worked with Reginald Butler, F. E. McWilliam and Henry Moore. In 1958 he participated in the international fair of Brussels, selected to be shown in the exhibition "50 Ans D'art Modern." During the year of 1976, he became an Assistant at the School of Fine Arts of Oporto, transiting in 1981 to the School of Fine Arts of Lisbon, where he remained until 1992. In the year 1982 he acquired a house on the outskirts of Estremoz. Meanwhile, he designed sculptures for public spaces: Group of bas-reliefs for the Free water Block (1956); a Varina in bronze placed on Avenida Infante Santo, in Lisbon (1957); an abstract sculpture in cement and in bronze for the Redondo Court (1965); a steel piece to the national laboratory of Civil Engineering (1972); a sculpture dedicated to Aquilino Ribeiro, Soutosa (1981); the monument to the miner, in Aljustrel (1986-1988); or the Ladybugs placed in front of the Town Hall of Lisbon (1998). The work of Jorge Vieira is not a specific school or style, and his sculptures are connected with varied influences, like surrealism or primitive art, with approaches to abstraction. The late sculptor's career is marked by the opening of a major retrospective of his work at the Museum do Chiado (1995) and by the order made for Expo ' 98, which gave him greater public visibility (Man-Sun, 1998). The sculptor died that year in Estremoz

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Hansi Staël (1913-1961)

Nascimento de um Barco (Centro de Arte Moderna - FCG)
-


Prato - Fábrica Secla (1954-1956, Museu Nacional do Azulejo)
-
Jarro - Fábrica Secla (c. 1950 - Cerâmica Modernista em Portugal)
-
-
Hansi Staël von Holstein, nasceu em Budapeste, em 1913, e morreu em Londres, em 1961. Dedicou-se à pintura, desenho, gravura, ilustração, decoração e cerâmica. Frequentou a Escola de Artes e Ofícios de Viena de Áustria (curso de Artes gráficas e Publicidade), e a Academia de Belas Artes de Budapeste. Durante a 2ª Guerra Mundial residiu em Estocolmo, desenvolvendo actividade como desenhadora (ilustração de livros e revistas; realização de padrões para tecidos para o armazém sueco Svenskt Tenn).
Fixou residência em Portugal em 1946 e, nesse mesmo ano, expôs no Secretariado Nacional de Informação. Frequentou o atelier de João Fragoso (1913-2000), aí estabelecendo contacto com Fernando da Ponte e Sousa (1902-1990), sócio maioritário da fábrica de cerâmica SECLA (Caldas da Rainha), para a qual viria a trabalhar a partir de 1950. Foi fundadora do Estúdio SECLA e foi responsável pela actualização da produção da fábrica no contexto internacional. A partir de 1954, dirigiu o sector artístico da empresa, onde colaborou até 1957. Na sua obra deu maior valor à decoração com pintura do que ao relevo, o que contribuiu para uma inovação da decoração típica da cerâmica caldense. Participou nas exposições de cerâmica moderna organizadas pelo S.N.I. (1950-1954) e recebeu, em 1954, o Prémio Francisco de Holanda, atribuído pelo SNI. No ano seguinte, seria galardoada com a Medalha de Honra, na Exposição Internacional Les Chefs-d'Ouvres de la Céramique Moderne, em Cannes. Expôs individualmente na Galeria de Março (1953) e na Galeria do Diário de Notícias (1957). Participou em diversas exposições de gravura portuguesa contemporânea bem como na 1ª Trienal Internacional de gravuras originais a cores (Grenchen, 1958). Participou na I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1957). Em 1959 saiu definitivamente da fábrica Secla, mas muitos dos seus desenhos para a produção corrente continuaram a ser executados, pelo menos até finais da década de 80. O seu trabalho revela influências directas da produção tradicional e moderna escandinava mas também da italiana.
-
Bibliografia: Rita Gomes Ferrão, Hansi Staël: Cerâmica, Modernidade e Tradição, 2014; Rita Gomes Ferrão, Castiçal «Anjo» - Hansi Staël - SECLA; Jarro - Hansi Staël - SECLA; Wikipédia.
-
Hansi Staël von Holstein was born in Budapest in 1913, and died in London in 1961. She dedicated herself to painting, drawing, engraving, illustration, decoration and pottery. She attended the School of Arts and Crafts in Vienna of Austria (graphic arts and advertising), and the Academy of fine arts in Budapest. During the Second World War she resided in Stockholm, developing activity as a designer (illustration of books and magazines; realization of patterns for fabrics for the Swedish company Svenskt Tenn). 
Took up residence in Portugal in 1946 and in that same year, she exhibited at the National Secretariat of Information. She attended the atelier of João Fragoso (1913-2000), then establishing contact with Fernando da Ponte e Sousa (1902-1990), senior partner of the ceramic factory SECLA (Caldas da Rainha), for which she would work since 1950 until 1959. Between 1954 and 1957, she directed the artistic sector of the company. She took part in the exhibitions organized by SNI (1950-1954) and received, in 1955, the Medal of Honor in Cannes.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Manuel Mafra (1829-1905)

Travessa (1860, Museu da Cerâmica)
-
Estatueta. Jurista (c. 1860-1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Jarro com prato e tampa (após 1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Prato (c. 1880, Musée Ariana)
-

Jarrão (1870-1887, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha)
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905), nasceu em Saibreira (Mafra), indo jovem viver para as Caldas da Rainha, onde começou a trabalhar como operário servente, na fábrica de Maria dos Cacos, em 1850. No ano de 1852 teve o primeiro contacto com o rei D. Fernando II quando este visitou as olarias das Caldas da Rainha. Manuel Mafra adquiriu a fábrica de Maria dos Cacos em 1853 e iniciou o seu percurso como ceramista juntamente com a sua mulher, Maria José, e as irmãs Mariana da Conceição Gomes e Luísa Gomes, que se tornaram especialistas na técnica da "verguinha". Em 1860 fundou a sua Fábrica na Praça D. Maria Pia, anunciada como Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. A partir de 1870 recebeu autorização para usar a coroa real nas suas marcas fabris e teve contacto com produções europeias da colecção de D. Fernando II, bem como do coleccionador José Palha, que o levaram a introduzir nas suas peças o "musgado" e novas técnicas de policromia. Em 1873 participou na Exposição Internacional de Viena de Áustria, onde recebeu uma medalha de mérito. Recebeu duas medalhas de prata: na Exposição Internacional de Paris de 1878 e na Exposição Internacional do Rio de Janeiro de 1879. O Inquérito Industrial de 1881 refere-se a Manuel Mafra como «o Palissy das Caldas». A sua unidade fabril entrou em decadência em 1885, ano em que morreu o D. Fernando II. Em 1887 passou a direcção da fábrica para o seu filho, Eduardo Mafra. Porém, em 1897, montou uma nova fábrica, que não alcançou o sucesso da primeira. Em 1890 o recheio da sua fábrica foi leiloado e adquirido por Herculano Elias.
-
Sobre este artista ver:
Cristina Ramos Horta, Manuel Mafra (1831-1905) e as origens da cerâmica artística das Caldas da Rainha, FL-UL, 2014 (tese de Doutoramento - disponível online).
Manuel Mafra 1829-1905: mestre na cerâmica das Caldas, Caldas da Rainha, Museu de Cerâmica, Maio de 2009.
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905) was born in Saibreira (Mafra). When he was young he moved to Caldas da Rainha, where he began working as a laborer, servant of Maria dos Cacos, in 1850. In the year 1852 he met for the first time the King Ferdinand II, when he visited the potteries of Caldas da Rainha. Manuel Mafra acquired the factory of Maria dos Cacos in 1853 and began his career as a ceramist along with his wife, Maria José, and sisters Mariana da Conceição Gomes and Luisa Gomes, who have become experts in the technique of "verguinha". In 1860 he founded his own factory in the square D. Maria Pia, announced as Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. Since 1870 he received permission to use the Royal Crown in his manufacturing marks and had contact with European productions from the collection of Ferdinand II, as well as the collector José Palha, which led him to introduce in his works the "musgado" and new techniques of polychromy. In 1873 he took part in the international exhibition in Vienna of Austria, where he received a medal of merit. Received two silver medals: in the international exhibition of Paris of 1878 and the Rio de Janeiro International Exhibition of 1879. The Industrial Survey of 1881 refers to Manuel Mafra as «the Palissy of Caldas». His factory fell into disrepair in 1885, the same year that died the King D. Fernando II. In 1887, Manuel Mafra passed the factory for his son, Eduardo Mafra. However, in 1897, he set up a new factory, which did not reach the success of the first. In 1890 the filling of his factory was auctioned and purchased by Herculano Elias.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Helena Almeida (n. 1934)

Sem título (1972)
-
Pintura habitada (1975, CAM)
-
Desenho habitado (1977, CAM)
-
-
Voar (fragmento) (2001)
-
Maria Helena de Castro Neves de Almeida (n. 1934) é uma artista plástica, nascida em Lisboa, filha do escultor Leopoldo de Almeida. Fez o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (terminado em 1955). Estudou em Paris, com bolsa de estudo, a partir de 1964. Expôs individualmente em 1967, na Galeria Buchholz, em Lisboa – seguindo-se depois numerosas exposições e participações em exposições, em Portugal e no estrangeiro. A sua obra baseia-se sobretudo na fotografia, que cruza com o desenho, a pintura, a performance e a escultura – usando fio de crina na concepção de desenhos tridimensionais. Desde 1969, os seus temas centram-se sobretudo na autorrepresentação, não como auto-retrato, mas como meio de questionar a relação entre o artista e a sua obra, ultrapassando os limites da arte bidimensional e tradicional. Nas suas palavras: "O meu trabalho é o meu corpo, o meu corpo é o meu trabalho." É casada com o arquitecto Artur Rosa que colaborou na concretização dos seus trabalhos. A artista representou Portugal na Bienal de São Paulo, Brasil (1979), na Bienal de Veneza (1982 e 2005) e na Bienal de Sidney (2004). Obteve o Prémio AICA, em 2004.
-
-
Helena Almeida was born in Lisbon in 1934 and she is the daughter of the sculptor Leopoldo de Almeida (1898-1975). In 1955, she completed the painting course at the School of Fine Arts in Lisbon. She married architect Artur Rosa that later helped her with her work. In 1964 she obtained a scholarship and moved to Paris. Almeida exhibited for the first time in 1967, in Lisbon. Starting in 1969 Almeida defined a new aspect of her work, the desire for self-representation, in an exhibit which became the basis of her future work. She exhibited a black and white photograph of herself wearing a canvas. This photograph asserted her belief in "identifying herself with the being of her work." Almeida avoids creating self-portraits. Rather, "My work is my body, my body is my work." In the early 70's Almeida returned to three dimensional sketching, with drawings that use horsehair threads and appear to jump off the page. She refers to this work as "painting outwards." In this process she worked without an easel or canvas.
-