quinta-feira, 9 de março de 2017

Carlos Reis (1863-1940)

Azenha (CMAG)
-
Milheiral (1911, MNAC)
-
Gerâneos e Malva Rosa (1912, Museu Carlos Machado, Ponta Delgada)
-
Engomadeiras (1915, MNAC)
-
Uma saúde aos noivos (1930, MNAC)
-
Natural de Torres Novas, matriculou-se em 1881 na Escola de Belas Artes de Lisboa, onde foi discípulo de Silva Porto, Simões de Almeida e Miguel Ângelo Lupi. Travou amizade com o príncipe D. Carlos, que o auxiliou nos estudos em Lisboa e mais tarde no estrangeiro. Em 1889 concorreu a uma bolsa de estudo para Paris, como pensionista do Estado. Entrando na École des Beaux-Arts, teve por mestres o retratista Bonnat e o pintor de Pintura Histórica Joseph Blanc. Em 1895 regressou a Portugal concorrendo para o lugar de Professor da Escola na cadeira de Paisagem. Teve influência no grupo de artistas que ajudou a formar, entre os quais Falcão Trigoso.
Entusiasta da natureza, foi fundador do grupo Ar Livre, ao qual sucedeu o Grupo Silva Porto. Foi sobretudo um paisagista, autor também de cenas campestres. No retrato, deixou obras igualmente famosas, como o de sua discípula Maria Adelaide de Lima Cruz e a composição El-Rei D. CarIos e seu Estado Maior (Fundação Casa de Bragança) exposto em 1905 no Salon de Paris. Carlos Reis executou igualmente trabalhos como decorador, por exemplo no Museu de Artilharia e no Hotel do Buçaco. Expôs desde 1887, na Sociedade Promotora, no Grupo do Leão, no Grémio Artístico, na Sociedade Nacional de Belas Artes, da qual foi um dos fundadores; na Exposição Internacional de Dresde, 1897; na Exposição Universal de Paris, 1900; etc. Foi nomeado Director do Museu Nacional de Belas Artes, e em 1911, com o desdobramento em Museu Nacional de Arte Antiga e Museu Nacional de Arte Contemporânea, foi nomeado Director deste último, até 1914.
-
Cf. Matriznet.
-

Born in Torres Novas, Carlos Reis enrolled in 1881 at the school of fine arts of Lisbon, where studied painting. In 1889 he applied for a scholarship to Paris, entering the École des Beaux-Arts. He returned to Portugal in 1895, becoming a Professor of Landscape at the Lisbon’s School. He was mainly a landscape painter, also known for his work in genre themes and portrait. He exhibited his works since 1887, in Lisbon, Oporto, Dresden and Paris, etc. In 1905, was appointed Director of the National Museum of fine arts, and in 1911, with the separation of that Museum in National Museum of ancient art and National Museum of contemporary art, he was appointed Director of the latter, until 1914.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Anjos Teixeira (1880-1935)

Depois da venda (1914, MNAC)
-
República (1916, Museu da Assembleia da República)
-
Madrugada (1920, Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves)
-
Velha com um cesto (Museu Anjos Teixeira)
-
Cabra de leque (Museu José Malhoa)
-
Artur Gaspar dos Anjos Teixeira foi um escultor português, nascido em 18 de Julho de 1880 e falecido em 4 de Março de 1935. Estudou escultura na Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde foi aluno de Simões de Almeida Sobrinho e de Costa Mota Sobrinho. Continuou os seus estudos em Paris, entre 1907 e 1914, com o apoio de uma bolsa de estudo, tendo exposto no Salon. Com a Grande Guerra, regressou a Portugal e adquiriu um atelier em Lisboa. A sua obra destaca-se pelo realismo naturalista, sobressaindo em obras que figuram costumes da gente do povo, bem como no retrato e trabalhos de carácter alegórico e celebrativo, como o caso da República da Assembleia (1916).
-
Cf. Sintra Museu Virtual de Arte e Wikipédia.
-
Artur Gaspar dos Anjos Teixeira was a Portuguese sculptor, born in 18 July 1880 and died on 4 March 1935. He studied sculpture at the School of fine arts of Lisbon, where he was a pupil of Simões de Almeida Sobrinho and Costa Mota Sobrinho. He continued his studies in Paris, between 1907 and 1914, with the support of a scholarship, having exposed at the Salon. With the Great War, he returned to Portugal, acquiring a workshop in Lisbon. His work is distinguished in a naturalistic and realistic style, standing out in works that include representation of commoners, in portrait, as well as allegorical and celebrating works as the Republic (1916).

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Enrique Casanova (1850-1913)

Sala do Despacho no Paço de Sintra (1889-1895, Palácio Nacional da Ajuda)
-
Pombos no camarote (1890, Palácio Nacional da Ajuda)
-
-
Paisagem (c. 1880-1905, MNAC)
-
Tipo Valenciano (1912, MNAC)
-
Enrique Casanova nasceu em San Gil de Zaragoza (Espanha), em Janeiro de 1850. Foi autodidacta, exercendo tarefas na oficina de litografia de seu pai. Cerca de 1880, veio viver para Portugal, onde trabalhou na Litografia Portugal. Nesse mesmo ano, por ocasião das comemorações do tricentenário da morte de Camões, publicou ilustrações do evento na revista «O Occidente», o que chamou a atenção do público. Sendo recomendado ao rei D. Luís, foi chamado para o círculo restrito da corte, a fim de instruir o Príncipe Real D. Carlos e o Infante D. Afonso na arte da aguarela. Casanova iniciou as suas funções de professor de pintura dos Príncipes em meados de Maio de 1881, trabalho que se prolongaria até Setembro de 1884. Foi nomeado Pintor da Real Câmara, desde 1885, o que se aliou a um estatuto de certo relevo na corte, sendo um dos acompanhantes da rainha D. Amélia e dos Príncipes, na viagem cultural que esta empreendeu pelo Mediterrâneo, em 1903. O trabalho de ensimo alargou-se a outros membros da Família Real, assim com a outras pessoas interessadas, contando-se entre elas Roque Gameiro. Chegando a abrir um curso nocturno de desenho e aguarela numa dependência da Real Casa Pia, em Belém, de 1888 a 1891, foi professor da Escola de Desenho Industrial Gil Vicente, em Belém, sendo depois colocado na Afonso Domingues, em Xabregas, e destacado para a Escola Príncipe Real, ao Rato. Expôs trabalhos na Sociedade Promotora de Belas Artes (1887) e na Sociedade Nacional de Belas Artes (1902 e 1906). É da sua autoria a litografia que ornamentou a capa do catálogo da 2ª Exposição de Quadros Modernos (Grupo do Leão, 1882). Após a proclamação da República, Casanova retirou-se para Madrid (1911), indo hospedar-se na Casa dos Artistas, fundada por Luís Sainz.
-
Cf. João Vaz, in Palácio Nacional da Ajuda
-
Enrique Casanova was born in San Gil de Zaragoza (Spain) in January 1850. He was self-taught, exercising tasks in the lithography workshop from his father. About 1880, moved to Portugal, where he worked in Lithography Portugal. That same year, on the occasion of the celebrations of the tercentenary of the death of Camões, he published illustrations of the event in the magazine «O Occidente», which drew the attention of the public. Being recommended to the King Luís, was called to the inner circle of the Court, in order to instruct the Royal Prince Carlos and the Prince Afonso in the art of watercolor. Casanova began his duties as a professor of painting of the Princes in 1881 and was appointed painter to the Royal Chamber, since 1885. His teaching enlarged to other members of the Royal family, as well as to other interested persons, including Roque Gameiro. He exhibited works at the Sociedade Promotora de Bellas Artes (1887) and at the National Society of Fine Arts (1902 and 1906). After the proclamation of the Republic, Casanova retired to Madrid (1911), staying in the Artists House, founded by Luis Sainz.