quinta-feira, 12 de maio de 2016

Manuel Mafra (1829-1905)

Travessa (1860, Museu da Cerâmica)
-
Estatueta. Jurista (c. 1860-1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Jarro com prato e tampa (após 1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Prato (c. 1880, Musée Ariana)
-

Jarrão (1870-1887, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha)
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905), nasceu em Saibreira (Mafra), indo jovem viver para as Caldas da Rainha, onde começou a trabalhar como operário servente, na fábrica de Maria dos Cacos, em 1850. No ano de 1852 teve o primeiro contacto com o rei D. Fernando II quando este visitou as olarias das Caldas da Rainha. Manuel Mafra adquiriu a fábrica de Maria dos Cacos em 1853 e iniciou o seu percurso como ceramista juntamente com a sua mulher, Maria José, e as irmãs Mariana da Conceição Gomes e Luísa Gomes, que se tornaram especialistas na técnica da "verguinha". Em 1860 fundou a sua Fábrica na Praça D. Maria Pia, anunciada como Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. A partir de 1870 recebeu autorização para usar a coroa real nas suas marcas fabris e teve contacto com produções europeias da colecção de D. Fernando II, bem como do coleccionador José Palha, que o levaram a introduzir nas suas peças o "musgado" e novas técnicas de policromia. Em 1873 participou na Exposição Internacional de Viena de Áustria, onde recebeu uma medalha de mérito. Recebeu duas medalhas de prata: na Exposição Internacional de Paris de 1878 e na Exposição Internacional do Rio de Janeiro de 1879. O Inquérito Industrial de 1881 refere-se a Manuel Mafra como «o Palissy das Caldas». A sua unidade fabril entrou em decadência em 1885, ano em que morreu o D. Fernando II. Em 1887 passou a direcção da fábrica para o seu filho, Eduardo Mafra. Porém, em 1897, montou uma nova fábrica, que não alcançou o sucesso da primeira. Em 1890 o recheio da sua fábrica foi leiloado e adquirido por Herculano Elias.
-
Sobre este artista ver:
Cristina Ramos Horta, Manuel Mafra (1831-1905) e as origens da cerâmica artística das Caldas da Rainha, FL-UL, 2014 (tese de Doutoramento - disponível online).
Manuel Mafra 1829-1905: mestre na cerâmica das Caldas, Caldas da Rainha, Museu de Cerâmica, Maio de 2009.
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905) was born in Saibreira (Mafra). When he was young he moved to Caldas da Rainha, where he began working as a laborer, servant of Maria dos Cacos, in 1850. In the year 1852 he met for the first time the King Ferdinand II, when he visited the potteries of Caldas da Rainha. Manuel Mafra acquired the factory of Maria dos Cacos in 1853 and began his career as a ceramist along with his wife, Maria José, and sisters Mariana da Conceição Gomes and Luisa Gomes, who have become experts in the technique of "verguinha". In 1860 he founded his own factory in the square D. Maria Pia, announced as Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. Since 1870 he received permission to use the Royal Crown in his manufacturing marks and had contact with European productions from the collection of Ferdinand II, as well as the collector José Palha, which led him to introduce in his works the "musgado" and new techniques of polychromy. In 1873 he took part in the international exhibition in Vienna of Austria, where he received a medal of merit. Received two silver medals: in the international exhibition of Paris of 1878 and the Rio de Janeiro International Exhibition of 1879. The Industrial Survey of 1881 refers to Manuel Mafra as «the Palissy of Caldas». His factory fell into disrepair in 1885, the same year that died the King D. Fernando II. In 1887, Manuel Mafra passed the factory for his son, Eduardo Mafra. However, in 1897, he set up a new factory, which did not reach the success of the first. In 1890 the filling of his factory was auctioned and purchased by Herculano Elias.

Sem comentários:

Publicar um comentário