terça-feira, 2 de agosto de 2016

Jorge Vieira (1922-1998)

sem título (1954, MNAC)
-
-
-
-
Touro (CAM-FCG)
-
Jorge Vieira nasceu a 16 de Novembro de 1922, em Lisboa. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa, entre 1944 e 1953, inicialmente inscrito em Arquitectura, mas mais tarde seguindo o curso de Escultura, tornando-se aluno de Simões de Almeida (tio) e de Leopoldo de Almeida. A sua aprendizagem complementou-se nos ateliers dos escultores António Duarte, Francisco Franco, António da Rocha e do arquitecto Frederico Jorge. No ano de 1948, realizou uma viagem a Paris e Londres, e em 1950 viajou até à Itália. A sua primeira exposição individual realizou-se em 1949, na Sociedade Nacional de Belas-Artes. Em 1953 Jorge Vieira participou num concurso internacional de escultura patrocinado pelo Institut of Contemporary Arts de Londres, com um projecto para o monumento O prisioneiro político desconhecido, que viria a ser seleccionado e exposto na Tate Gallery. Essa obra, apenas veio a ser executada algumas décadas mais tarde, erigida em 1994, na cidade de Beja. No ano de 1954 instalou-se em Londres e inscreveu-se na Slade School, onde trabalhou com Reginald Butler, F. E. McWilliam e Henry Moore. Em 1958 participou na Feira Internacional de Bruxelas, seleccionado para figurar na exposição “50 Ans d’Art Modern”. Em 1976, tornou-se Assistente na Escola de Belas-Artes do Porto, transitando em 1981 para a Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde permaneceu até 1992. No ano de 1982, adquiriu uma casa nos arredores de Estremoz, onde passou a residir. Entretanto, continuou a conceber esculturas para espaços públicos: grupo de baixos-relevos para o Bloco das Águas Livres (1956); uma Varina em bronze colocada na Avenida Infante Santo, em Lisboa (1957); uma escultura abstracta em cimento e em bronze para o Tribunal do Redondo (1965); uma peça em aço para o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (1972); uma escultura dedicada a Aquilino Ribeiro, em Soutosa (1981); o Monumento ao mineiro, em Aljustrel (1986-1988); ou as Joaninhas colocadas em frente aos paços do concelho de Lisboa (1998). O trabalho de Jorge Vieira não se insere num estilo ou “escola” específicos, estando as suas obras ligadas a influências variadas, como o surrealismo ou a arte primitiva, com aproximações à abstracção. O período final da carreira do escultor é marcado pela inauguração de uma importante retrospectiva da sua obra no Museu do Chiado (1995) e pela encomenda feita para a Expo’98, que lhe proporcionou uma maior visibilidade pública (Homem-sol, 1998). O escultor faleceu nesse ano em Estremoz.
-
Exte texto é o resumo da biografia do Matriznet.
-
Jorge Vieira was born on 16 November 1922, in Lisbon. He attended the School of fine arts of Lisbon, between 1944 and 1953, initially enrolled in architecture, but later following the course of sculpture, becoming a pupil of Simões de Almeida (uncle) and Leopoldo de Almeida. His learning was complemented in the “ateliers” of the sculptors António Duarte, Francisco Franco, Antonio da Rocha and the architect Frederick George. In the year 1948, undertook a trip to Paris and London, and in 1950 travelled to Italy. His first solo exhibition was held in 1949, at the National Society of Fine Arts. In 1953 Jorge Vieira took part in an international sculpture contest sponsored by the Institute of Contemporary Arts in London, with a project for the monument the unknown political prisoner, who would go on to be selected and exhibited in the Tate Gallery. This work, only came to be executed a few decades later, erected in 1994, in the city of Beja. In the year of 1954 he settled in London and enrolled at the Slade School, where he worked with Reginald Butler, F. E. McWilliam and Henry Moore. In 1958 he participated in the international fair of Brussels, selected to be shown in the exhibition "50 Ans D'art Modern." During the year of 1976, he became an Assistant at the School of Fine Arts of Oporto, transiting in 1981 to the School of Fine Arts of Lisbon, where he remained until 1992. In the year 1982 he acquired a house on the outskirts of Estremoz. Meanwhile, he designed sculptures for public spaces: Group of bas-reliefs for the Free water Block (1956); a Varina in bronze placed on Avenida Infante Santo, in Lisbon (1957); an abstract sculpture in cement and in bronze for the Redondo Court (1965); a steel piece to the national laboratory of Civil Engineering (1972); a sculpture dedicated to Aquilino Ribeiro, Soutosa (1981); the monument to the miner, in Aljustrel (1986-1988); or the Ladybugs placed in front of the Town Hall of Lisbon (1998). The work of Jorge Vieira is not a specific school or style, and his sculptures are connected with varied influences, like surrealism or primitive art, with approaches to abstraction. The late sculptor's career is marked by the opening of a major retrospective of his work at the Museum do Chiado (1995) and by the order made for Expo ' 98, which gave him greater public visibility (Man-Sun, 1998). The sculptor died that year in Estremoz

Sem comentários:

Publicar um comentário