terça-feira, 18 de outubro de 2016

António Quadros (1933-1994)

A menina e o lagarto (1956, Centro de Arte Moderna - FCG)
-
Raparigas (1950-1958, Museu Nacional Soares dos Reis)
-
Sem título (gravura) (1958)
Cinzeiro serviço "Verde Negro" (1959, Museu Nacional do Azulejo)
-
António Quadros foi um pintor, escritor e professor português, que nasceu a 9 de Julho de 1933, em Santiago de Besteiros, Tondela. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa, de onde se transferiu, em 1952, para a Escola de Belas Artes do Porto. Licenciou-se nesta Escola em 1961, tendo sido convidado para aí lecionar. Expôs na ESBAP, onde distribuiu "O Manifesto de Pintura" (1958); e estudou Gravura e Pintura a Fresco na Escola de Belas-Artes de Paris, para o que teve o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian (1958-1959). A sua obra pictórica foi influenciada por Marc Chagall (1887-1985) e Pablo Picasso (1881-1973), assim como pelos pintores mexicanos e surrealistas latino-americanos. Nessa obra encontram-se referências ao imaginário rural e à olaria de Barcelos - foi ele quem descobriu a barrista minhota, Rosa Ramalho (1888-1977). Expôs individualmente no Porto, em Lisboa e em Lourenço Marques e associou-se a mostras coletivas de arte, em Portugal e no estrangeiro, tendo participado, por exemplo, na I Bienal de Paris (1959). Trabalhou em cerâmica, tendo ingressado na SECLA (Caldas da Rainha) em 1959, por intermédio de José Aurélio (n. 1938). Dedicou-se à pintura sobre cerâmica, e foi autor de um serviço conhecido como linha Verde e Negro (c. 1959). Destaca-se ainda um serviço de mesa com decoração caligráfica que concebeu como presente de casamento para José Aurélio. Nos anos 60, fixou-se em Moçambique, país onde veio a lecionar (na Escola Técnica de Lourenço Marques e na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo), a fazer teatro, a desenhar arquitetura, e, ainda, a fundar, com Rui Knopfli (1932-1997), os cadernos de poesia "Caliban" (1971-1972). No início da década de oitenta do século XX, regressou a Portugal e retomou a docência na ESBAP e na Unidade Pedagógica de Viseu. Antes de falecer, voltou a África para lecionar arquitetura na Universidade Eduardo Mondlane, em Moçambique, para participar num programa de artesanato, em Cabo Verde e num projeto de Apicultura, na Guiné-Bissau. Interessou-se por etnografia e arte africanas, dando a conhecer o pintor moçambicano Malangatana (n. 1936). António Quadros morreu em Santiago de Besteiros a 2 de Junho de 1994.
-
Bibl.: Universidade Digital / Gestão de Informação, 2010 - U. Porto.
-
António Quadros was a Portuguese painter, writer and teacher, who was born in 1933 (Tondela). He studied painting at the school of fine arts of Porto (1961), where he was a professor. He studied engraving and Painting at the school of fine arts of Paris, with support from Fundação Calouste Gulbenkian (1958-1959). He also worked in ceramics, having joined in SECLA (Caldas da Rainha), in 1959. In the years 1960, he settled in Mozambique, returning to Portugal in the early 80.

2 comentários: